"Writing is a socially acceptable form of schizophrenia."
(E.L. Doctorow
)

"Words - so innocent and powerless as they are, as standing in a dictionary, how potent for good and evil they become in the hands of one who knows how to combine them."
(Nathaniel Hawthorne
)

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Rescaldo de '14 e Votos para '15




“2014 foi para mim como uma montanha russa , muitos altos e baixos intercalados por curtos espaços de tempo. O ano acaba em alta e espero que seja uma boa premonição para o ano que vem, mais aventuras, mais boas experiências e mais maturidade para encarar as adversidades. Desejo a todos os seguidores do crónicas em branco umas boas entradas e um feliz ano novo!”

Pedro Oliveira




“2014: Austeridade manteve-se, Eusébio deixou-nos, um banco caiu, os Espírito Santo andam às turras, a Troika saiu, o Mundial aconteceu mas Portugal não compareceu, aprendemos a dizer “Legionella” e “Ébola”, a prisão de Évora ganhou um engenheiro nos seus aposentos e aviões desapareceram ... resumo feito, não precisam de agradecer.
Este ano que agora tem o seu termo foi de aprendizagem para mim, de consolidação pessoal com o alcançar de algumas metas que me deixam orgulho. Foi ano de recompensar quem está comigo desde sempre. Espero que 2015 seja desafiante, que me torne ainda melhor e que saiba premiar o esforço de todos. Quanto ao nosso Crónicas quero acreditar que será o nosso ano. Para todos que nos acompanham desejo boas entradas e um feliz 2015!”

Daniel Teixeira




“Nós, jovens, tivemos um bom 2014? Sim? Não? Mais ou menos? O meu ano tendeu para a terceira opção. Não posso dizer que tenha sido mau, mas também não foi perfeito.

Do lado negativo, vejo a descrença no nosso país. O futuro está incerto. Queremos construir um caminho próprio e cimentar o melhor percurso possível para a nossa vida. No entanto, as dificuldades para tal são cada vez maiores. É como se um muro estivesse a ser erguido no meio da estrada e a sua altura não tivesse fim e, por mais que escalemos esta estrutura, questionamo-nos se seremos capazes de transpor tal obstáculo.

Apesar de tudo, é fulcral que não percamos a esperança. Também eu pensei que a minha luta estava a ser em vão mas, no final, encontrei um pouco de luz para me ajudar a seguir o meu próprio caminho. Não era a luz que mais procurava, contudo, ajudou-me a acreditar que nem tudo é negro naquilo que o futuro me reserva.

Por estes motivos, desejo que todos os jovens consigam encontrar a mais pequena luz no seu caminho. Que esta vos dê força de vontade para continuar a escalar este muro que foi colocado contra a vossa vontade. É preciso lutar por um futuro melhor. Não podemos desistir já dele.”

Fábio Silva




“Acordar numa nova realidade, num outro mundo, com outro público, outro espectador, outro consumidor, uma nova utopia. Com gente modesta, seres que convivem a cheirar o ar que vento nos traz com o cheiro das árvores e não o cheiro a fechado, a escritório, a quarto ou sala, a luz artificial, a flashes. Novos ideais para o Homem, tecnologias com outros focos, um mundo melhor. Um novo 2015. Um Feliz Ano Novo.”

Filipa Alves



Para dar a conhecer 2014 aos mais distraídos, decidi fazer uma espécie de lista:

Foi o ano da ébola e da Legionela; o ano em que vimos partir nomes como Gabriel García Márquez, Robin Williams e até Eusébio; ano das greves na TAP, dos aviões da Malásia desaparecidos e dos russos em território nacional; ano da Crimeia, dos Russos vs. Ucranianos e dos Jihadistas; ano do bloqueio do Citius, do atraso no arranque do ano escolar e da Tecnoforma; ano em que António Costa assume a liderança do PS e José Sócrates é detido; ano em que o SLB se sagra campeão nacional mas perde a Liga Europa para o Sevilha, o Real Madrid ganha a Liga dos Campeões e a Alemanha se sagra campeã Mundial; ano em que o rei Juan Carlos da Espanha abdica do trono, dando lugar ao filho, e em que se celebrou o centenário do início da Primeira Guerra Mundial; o ano em que Malala Yousafzai e Kailash Satyarthi ganharam o Nobel da Paz, em que o filme “12 Anos Escravo” ganhou o óscar de melhor filme e em que, por alguns dias, “todos fomos macacos”; ano dos vídeos, alguns desastrosos, dos banhos públicos/gelados/solidários.

Mas Senhores e Senhoras, Damas e Cavalheiros, Meninos e Meninas, o ponto alto do ano de 2014, para mim, foram os 7 que o Brasil enfardou da Alemanha!

Ania Santos



2014 foi um bom ano... Tivemos o Marinho Pinho e o seu movimento que mais parece um pseudo partido de notáveis, tivemos o regresso do Secret Story, tivemos o Ronaldo e a sua estátua na Madeira, tivemos a Cristininha a metida em mil e um projetos... e até tivemos direito às atenções da Legionella e dos BES – agora Novo Banco. 2014 foi realmente um ano maravilhoso, cheio de criatividade! Bem... pelo menos, já não tivemos o Cavaco Silva a dizer que a sua reforma não chega para pagar as suas despesas. E assim, preferiu-se fazer caridade despejando baldes de água gelada uns nos outros. Quer dizer, uns por caridade, outros por jantares pagos vá-se lá saber por alma de quem!
Posto isto, desejo a todos os leitores do Crónicas em Branco um – ainda mais – criativo 2015! Repleto de muito trabalhinho, saúde e amor. Repleto de esperança e optimismo. Pois só com estes ingredientes é que o país é capaz de se endireitar. Feliz Ano Novo!

Rute Rita Maia

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

O Amor visto antes e depois


Durante muito tempo, desejamos vir ter a nosso lado a pessoa dos nossos sonhos. Aquela cuja beleza encaixa como que na perfeição em todos os nossos ideais e requisitos. Que nos fará ficar sem fôlego cada vez que a olhamos. Aquela última peça do puzzle que nos seduz a cada instante, quase sem dar por isso. Quase espontaneamente e de forma muito natural. Durante muito tempo, desejamos ter a nosso lado esse prémio por todos os maus amores do passado, essa recompensação por todas as vezes que outros nos amaram apenas pela metade, e não em um todo. Desejamos aquela pessoa com sonhos compatíveis com os nossos, se não os mesmos. Acreditamos que terá uma personalidade também ela compatível. Que nos acompanhe em todos os cafés da manhã, que nos leve aonde sempre quisemos ir, que se deite connosco e nos faça esquecer o mundo enfadonho que existe lá fora. Que nos agarre por entre os lençóis como se o amanhã demorasse a chegar e como se o tempo fosse algo que pudessemos desperdiçar. Durante muito tempo, sonhamos acerca do primeiro encontro. Do primeiro beijo. Da primeira vez juntos. E durante outro tanto tempo, idealizamos que essa pessoa, esse ser celestial que nos caiu nos braços por desígnio do destino, seja tudo aquilo que sempre quisemos que ela fosse.
No entanto, há medida que os anos passam e entramos na vida adulta, deixamo-nos de todas essas merdas. Hoje sabemos que a pessoa que a pessoa dos nossos sonhos não existe. Pelo menos, não é essa que sempre idealizamos. A pessoa que ficar ao nosso lado, não o vai fazer por ter feitios, aspirações ou ideias iguais às nossas. Vai fazê-lo porque os nossos estilos de vida, embora diferentes, se compreendem mutuamente e se aliam um ou outro, tirando sempre o melhor dos dois sentidos. São aliados. Isso sim. A pessoa que ficar ao nosso lado, não o vai fazer por obra do destino ou do Espírito Santo. Isso não existe. Vai fazê-lo por quer. Isso sim. Porque poderia perfeitamente tomar mil e um cafés pela manhã com qualquer outra, mas prefere tomar connosco. Ela não nos vai levar onde sempre quisemos ir. Na melhor das hipóteses, vamos juntos descobrir sítios que nunca imaginaríamos que nos preenchessem. O que nos vai seduzir não é com certeza a sua beleza exterior, mas sim a sua visão do mundo. A forma como se vê a si, aos outros e a nós, claro. O mais engraçado é que ela não nos vai fazer esquecer o mundo lá fora. Ao invés, ela vai colocar-nos nessa selva e, sem saber, vai nos dar ferramentas para enfrentar as grandes feras. Como o medo, o egoísmo, a saudade. O egoísmo... Nada será bondoso nessa relação. Mas sim egoísta. Porque a receberemos no seu todo. Peça por peça. E nunca pela metade. Ela vem toda e vem nua. Livre de enigmas. Os quais saberemos como desvendar. Não haverá medo do silêncio nem da distância. Porque nos fortalecem, apesar de tudo. Não haverá medo de que ela nos fuja, por entre os pecados por esse mundo fora. Porque ela é nossa, de um jeito tão umbilical que ninguém a conseguirá deter por muito tempo. Está nos seus cromossomas. Está na sina do dia a dia. O pecado não é algo que nos espreite à janela de quando em vez. Ela é o nosso pecado. Deitamo-nos com ele e eles dá-nos a tranquilidade – nada celestial – de que por mais voltas que o planeta dê, ela ficará sempre connosco. Não porque esteja escrito nas estrelas, mas porque ela quer.
À medida que os anos passam vou-me apercebendo que as pessoas buscam o oposto do que devem nas relações. Criam expetativas ilusórias. Jogam-se sem saber muito bem porquê, como se a vida fosse um circo e alguém detivesse em sua posse, num recanto bem escondido, a bola da sorte que nos detém. Tudo isso são grandessíssimas balelas, em que só acreditam as almas pobres. Aquelas que procuram tudo o que possa haver no outro e se esquecem que a compatibilidade da alma não se procura. Encontra-se. E isso é matéria que não se explica. Que não se premedita ou antecipa. Não se adivinha. Não se projeta. Não se sonha. Ela simplesmente acontece. Se nos pusermos a jeito para a ver. Agora abre os olhos.


Rute Rita Maia, 30 de dezembro de 2014

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Natal: Última chance

"Jovem, apercebeste-te hoje que daqui a umas horas é o jantar de Natal e não compraste prendas? Nada temas, tens concerteza um shopping perto de ti! Prepara a tua roupa mais almofadada, os teus ténis mais confortáveis, escreve o teu testamento, diz aos teus pais que os amas muito e vem tentar a tua sorte para comprares aquela prenda especial que pode muito bem vir a ser trocada uns dias depois porque a pessoa não gostava dela!!!"

Esta era a mensagem sonora que todos os shoppings deviam anunciar neste dia, 24 de Dezembro. Todos nós conhecemos a história e é inevitável todos os anos. Apesar de todos os fins de semana deste mês os shoppings e ruas serem inundadas de gente à procura de presentes há sempre aqueles com o pensamento totalmente positivo "hum, eu depois dia 24 de manhã passo aqui e levo".


Eu defendo isto como sendo um desporto radical de alto risco. Aliás, acredito até que há pessoas com marcas de outros Natais onde as prendas foram compradas em outros dead-lines e que se orgulham do feito. "Estás a ver esta cicatriz Dulce? Natal de 2012. Uma cabra queria aquela blusa da Bershka que comprei para a Inês e mordeu-me a ver se a largava ... veio de arrasto até ao balcão. Mas sim, estou melhor do joelho do Natal passado, mas a culpa era do salto alto que levava calçado. Não tinha nada que partir e pronto, lá levei com as pessoas a pisarem-me na secção dos pijamas na Primark".

Claro que há pessoas que fazem as compras atempadamente, com noção das filas, confusão e azáfama que podem evitar ... mas que piada é que isso tem? Ser responsável? Poupem-me ...
Gostava imenso de continuar com esta crónica, mas escondi uma camisa na Springfield no fim dos cabides a loja e vou ver se dou lá um pulinho rápido para a comprar. É só fechar o portatíl, pegar no martelo que o meu pai tem na dispensa e estou apto a rumar ao shopping.

Em nome de todos dos cronistas do Crónicas em Branco desejamos a todos um excelente Natal!

sábado, 22 de novembro de 2014

A detenção do "Mr. Magalhães"

O ex-primeiro-ministro José Sócrates foi detido, esta sexta-feira, no âmbito de um processo em que se investigam crimes de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção.

Tudo neste processo de detenção tem o seu "quê" de poesia e achincalhamento.
A poesia começa com o facto de Sócrates ter sido detido quando chegou ao Aeroporto vindo de Paris ... apanhou a sua mala e viu-se convidado a acompanhar os senhores agentes. Nada de perseguições, nada de complicações: É só esperar que o avião aterre. O achincalhamento tem o seu dealbar no veículo onde Sócrates sai com a polícia, uma carrinha Opel Corsa. Isto realmente é não respeito por um homem que deu tantas coisas ao país como o Caso Freeport ou o computador Magalhães ... Podia ser um BMW ou um Mercedes, mas Sócrates lá teve de se contentar com um Opel. Um escândalo claramente.

A Justiça portuguesa está a investigar, entre outras coisas a compra, por três milhões de euros, da casa em que José Sócrates viveu em Paris. O mesmo defendeu-se anteriormente dizendo que pediu um empréstimo ao banco enquanto esteve em Paris a estudar Filosofia.
Neste caso até entendo Sócrates, se é para estudar Filosofia (ainda para mais num país estrangeiro) há-que ter a sua comodidade, não se pode estar num T4 qualquer sem vista para a zona principal da cidade ... e também deve ter sido a pensar nisso que Sócrates amealhou 20 milhões de Euros numa conta na Suiça ... Um homem precavido, menos à saída dos aeroporto pelos vistos.

No entanto esta detenção do "Mr. Magalhães" abre um precedente perigoso para o nosso país e que nos afecta a todos. Senão vejamos: O Governo corta, tira, faz passar mal as pessoas com impostos excessivos. Todo este processo faz muitos de nós pensar em entrar por vias ilícitas, esquemas fora da lei para poder sobreviver ... e agora decidem prender quem faz desses esquemas? Assim não há condições ....

Em jeito de conclusão estou muito curioso para saber se José Sócrates vai fazer o seu habitual espaço de comentário por Skype e que palavras vai dirigir ao tal senhor que foi preso nesta noite de sexta-feira.


sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Perde o juízo e vem


A pior parte de se ser sincero é que, mais tarde, não nos restarão palavras para saborear. É uma contradição, me parece. Quando se diz tudo, fica-se com nada. Esse nada é triste. É vazio. Por te ter dito tudo e ter posto as cartas na mesa, agora encontro-me nua, sem mais nada a dizer, sem palavras para guardar. Perdi o que tinha. E eu tinha um manto delas apenas para ti.
Olho-te e sinto-me capaz de buscar o melhor que há em ti. De te trazer para as luzes da ribalta e mostrar ao mundo o outro eu que tens escondido nas tuas entranhas. Olho-te e sinto que consegues trazer o pior que há em mim. E sinto que, se assim fosse, saímos os dois a ganhar. A vida é efémera. Tão efémera que essa tua arrogância desmedida passa-me ao lado, sem o mínimo esforço da minha parte para que tal aconteça. Sempre quis ver mais longe. Talvez seja isso o que está aqui em causa. Testar a tua reacção. Ler um pouco mais de ti. Quando algo me é dado de bandeja e de uma só vez eu perco a vontade de aceitar. Não posso considerar meu algo que não fui eu quem encontrou ou descobriu. E ainda tenho tanto por (te) descobrir... Pouco me importa as rotas que cruzamos até pisarmos este chão. Em vez disso, foco-me naquela que sempre foi a minha prioridade: o que cada um de nós procura. E eu penso que procuramos o mesmo. Se, para isso, trarei ao de cima o melhor que há em ti e descobrirei, por teu próprio mérito, o pior que há em mim, que assim seja. Depois logo se vê o que o destino tem guardado para nós. Se é que tem alguma coisa. A vida é efémera. Tão efémera que fazer planos é o mais puro desperdício de tempo.
Por isso, vem. Perde o juízo e vem. Vem fazer algo pela tua vida e sai dessa sina rotineira em que te enfiaste. Vem saborear o factor surpresa a cada nascer do sol e nunca regressar a casa pelo mesmo caminho. Porque essa vida livre que dizes viver é apenas uma mentira na qual fazes sempre mais do mesmo. Sem nunca fazer nada diferente.

domingo, 9 de novembro de 2014

Tentações

Não foi o fim, porque o que temos nunca se vai perder.
Tivemos os nossos momentos e a tentação de querer algo mais pode ter traido todas as minhas acções. Fiz-me de forte, convicto e segui em frente à procura daquilo que o meu coração me pedia insanamente.


Não me arrependo. Segui o sentimento e queria a melhor pessoa ao meu lado: tu. Aprendi ao longo dos meus (ainda que poucos) anos que devemos aproveitar todos os momentos, controlando assim aquele receio que nos acompanha e que nos faz pensar se fizemos mesmo tudo o que queriamos. Contigo tudo foi diferente. Viste a minha realidade, entendeste-a, viveste-a e claro fazes parte dela. Já conheces o fascínio que tenho por ti e pelo que representas.

Todos nós vivemos de tentações. Por muito que as possamos analisar com conta, peso e medida, deixamo-nos levar por elas quando o instinto toma conta daquilo que apelidamos de "consciência". Tento não ser traído por elas mas não nego que as tenha. Algumas envolviam-te, faziam parte do meu imaginário e queria torna-las realidade. Acreditava em algo mais, que podia ser "aquele" que pudessse completar alguma parte da tua vida que podesses ter em carência. Achei-me a pessoa certa, no momento certo. Ainda assim, tentanto controlar aqueles instintos que por vezes nos traem, usei as palavras e não os actos (talvez por ser mais hábil com elas) e não deixei passar uma das hipóteses que tive perante a tua presença.


No entanto, ponderada que sempre, forte cordial para comigo e explicaste o que sentias. Arrefeceste o meu ímpeto como se calhar era necessário. Podia estar a viver algo que não existia. No fundo agradeço-te a honestidade, puseste o meu coração no sítio.
Continuaremos como estamos, amigos como foi no dealbar desta nossa convivência. O futuro decerto trará mais momentos engraçados e com histórias em simultâneo, algo que acredito que vês como algo positivo.
 

Eu nao te perdi, tu nao me fugiste. Apenas nao era o momento.

sábado, 8 de novembro de 2014

Legionella

Tudo o que importa saber sobre a sucessora do Ébola

Eis que aprendemos uma nova palavra em Portugal: Legionella.
Apesar de parecer como um tipo de massa italiana que se confecciona em qualquer casa com uma Bimby isto da Legionella é grave e é coisa para chatear um bocado. De seguida vou comentar depoimentos de Francisco George e ainda rever os sintomas deste novo flagelo para a nossa saúde.


"O diretor-geral da Saúde, Francisco George, aconselhou as pessoas a não tomar duches nem utilizar hidromassagens ou jacuzzis até que seja identificada a fonte da infeção por legionella, mas garantiu que é seguro consumir água da rede pública."
- Isto sim é pensar em grande. Em tempos de crise isto é mais uma medida para o crescimento. Então agora iamos gastar água a tomar banho sujeitos a ficar doentes? Claro que não. Sujinhos mas dignos como um bom português. E isto é medida que ataca todos porque até quem é rico não tem direito a jacuzzis e a hidromassagens ... que bela medida que a Legionella trouxe. Mas nem tudo é mau. Tomar banho, ok é chato e é capaz de dar doenças, mas agora beber a água isso é sem problema. O organismo decerto aguenta.
(Ideia para negócio: Comercializar água com Legionella com o slogan "Perfeita para beber, só")


"Francisco George disse que é preferível optar por banho sem duche e que deve ser evitada a «grande pressão» das torneiras. Por outro lado, «a cabeça do duche pode ser submersa numa solução de água com lixívia, desde que tenha o odor próprio da lixívia», referiu."
- Ah esperem, afinal dá para tomar banho, só não pode ser é à maluca! Não há cá duches a levar com a água das torneiras como um lorde. Tomar banho sim, mas com lixívia também para ficar limpinho como deve ser ... Agora sim, sinto-me esclarecido. Tomar banho torna-se agora toda uma nova experiência.

Sintomas:
- Febre alta
- Dores de cabeça
- Dores musculares
- Tosse seca
- Dificuldade respiratória
- Vómitos e diarreia
- Delírio


Ou seja, sofrer de Legionella ou ser adepto de um grande após um clássico onde a sua equipa perdeu com um erro do árbitro é igual.

Isto é algo que está a preocupar Portugal, mas que de momento só ataca em Vila Franca de Xira. E o que é que há em Vila Franca de Xira? Não sei, aliás ninguém sabe o que há lá e nem se lembraria do sítio se não fosse a Legionella (ponto a favor para o turismo se calhar).

Uma última palavra para o Ébola. Foi algo bonito o que vivemos mas, como com todas as outras doenças que enchiam telejornais como a Gripe das Aves, temos de pôr um termo à nossa relação. Já não metes medo nem atormentas tanto como a Legionella nos consegue fazer e é melhor seguirmos caminhos diferentes, nós a preocuparmo-nos com os banhos e tu a atormentar terras africanas, é pelo melhor acredita. Não te preocupes, nunca te vamos esquecer.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Especial

É isso que és para mim.
Porque me conquistaste sendo apenas tu mesma, usando a simplicidade que te é característica. Arrebataste o meu mundo como ninguém e eu só te tenho a agradecer por isso ... fazias-me falta.

Não és mais, não és menos: és apenas tu e isso é único e imprescindível para mim. Não precisas de floreados, de vincar a tua presença ... o teu sorriso faz com que tudo pareça perfeito.

És a pessoa que precisava na minha vida. Consegues criar o equilíbrio em mim, a motivação que preciso, a ânsia que todos queremos: a de encontrar alguem que nos complete e faça feliz. 

Não tens de te esforçar. A natureza básica dos teus actos torna tudo uma sinfonia onde a música nos embala. Não há desatinos, desafinações, partituras mal criadas e interpretadas ... és tudo, no momento certo.

E aqui estou eu, rendido aos teus encantos, às palavras que me dizes só com o olhar. E quero ficar assim muito tempo. Não, não estou enfeitaçado pela história e agarrado ao enredo, estou apenas apaixonado por ti.


quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Irei falhar-te ...

Irei falhar-te. Sim, admito sem redundância.

Por vezes não serei o príncipe que mereces, aquele que te salvará nem que seja só com um sorriso; não serei aquele que vais amar para sempre, aquele que idealizaste como o homem da tua vida.
Serei em algumas alturas o alvo da tua raiva, da tua angústia, quem sabe da tua tristeza.
Dias vão existir em que nem sequer me vais querer ver, por todo o mal que te posso causar.
Ai pode não haver presente, mimo ou gesto que me possa salvar porque não fui justo para contigo.
Quem sabe serei um peso na tua alma, a amargura que te vai atormentar sem mereceres tal castigo.
Não sei se serei o teu abrigo à chuva todos os dias, aquele abraço que poderás precisar nos dias menos bons.

Posso não ser digno do teu amor, para sentença de todos os meus males.

Mas, apesar de tudo, estarei sempre contigo. Sempre ali, com o meu coração nas tuas mãos.
Porque por muito que te possa dizer que posso falhar juro que voltarei sempre a tentar para ser teu como sempre quis. Conquistar-te-ei todos os dias se assim for o destino para nós. Estarei lá para ti eternamente.
Esperarei por ti mesmo que todos os regressos se adiem, mereces isso.

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Emissão interrompida: Portugal volta dentro de momentos ...

É mais do que evidente: Portugal está em stand-by. 
Olhamos para vários parâmetros da nossa sociedade e ou anda tudo aos papéis reinando a confusão e a indecisão ou damos lugar ao bacoco e ao ridiculo. Aproveitemos a paragem nesta emissão que o nosso país nos está a dar e vamos escrutinar algumas coisas.

Políticamente falando.
Vimos Cavaco Silva a discursar. Aparentemente ainda é nosso Presidente da República, uma surpresa para muitos visto que é raro aparecer ... Quanto a quem manda é público e notório o esgotamento e a desorientação do governo. Os recibos de Passos Coelho com a Tecnoforma pelo meio anexando a contestação a Crato (Educação) e a Teixeira da Cruz (Justiça) vão desgastando uma coligação que já não augurava grande futuro. A oposição? Aparentemente está mais interessada em criar primárias. Primeiro foi o PS onde Costa saiu vitorioso mas ainda a tremer por ainda ter mais etapas a passar e o BE parece ir pelo mesmo caminho para passar a ter apenas um líder ... modas políticas que em nada ajudam a criar soluções e credibilidade. Também há o Livre e do PDR mas acho que é preferível falar só de partidos à séria.


Socialmente cá vamos ...
Voltou a Casa dos Segredos, o que é sempre bom para acalmar o espirito de manifestante que donas de casa e reformados possam ter. Três meses a levar com bimbalhada fechada numa casa acompanhados por uma voz insana que nos atormenta quando ligamos a tv naquele específico canal ... exato, estou a falar da Teresa Guilherme. Já vai na 5ª edição. Na 5ª!!! A não ser que coloquem aquela gente a correr sobre brasas ou (na loucura) a fazerem um teste de aptidão da quarta classe não estou a ver o interesse ...
Dêem ao país o que ele quer e se maior parte dele gosta de ver pessoas fechadas a serem filmadas sem estarem a fazer nada de produtivo oupa lá com isso não é?


Finalmente o projecto-lei que condena com prisão quem maltrata animais foi aprovado. O que é que a RTP faz nesse mesmo dia? Mostra tourada ... não é preciso dizer mais nada.

A praxe voltou a ser falada. Luis Pedro Nunes, no programa "Eixo do Mal", falou sem rodeios das brincadeiras de mau gosto que alguns elementos de praxe fizeram tendo em conta a tragédia do Meco apelidando-os de "grunhos" entre outras vernáculos. Aqui concordo totalmente com Luís Pedro Nunes, querem ser parvos que sejam, querem ser humilhados com "actividades de aceitação" força nisso,  mas respeitem quem já foi como eles e sofreu o infortunio maior: perder a sua própria vida.

Os Taliscas desta vida e os toques de Engenheiro.
No futebol é que Benfica que vai na frente do campeonato com um nome a ocupar grande parte do protagonismo: Talisca. Já vai com 6 golos no campeonato. Na Champions mal se viu nas derrotas contra o Zenit e contra o Bayer, mas o que é que interessa? O rapaz é aquela máquina ... contra Aroucas e outras equipas que com mecos de treino mexiam-se mais. O Nani CP, perdão, o Sporting CP encheu-se de vitórias morais e lá venceu o Penafiel com Montero a marcar 300 dias depois. É um sinal do Apocalipse com certeza. O FC Porto andou a empatar jogos e a paciência de muitos adeptos. Venceu o Braga mas aqueles meninos têm de ser lembrados que a hora do recreio acabou à muito tempo,. Fica o conselho: Entrem em campo com duas bolas, uma para o jogo e outra para o Tello.
A Selecção agora tem um engenheiro ao leme. Promoveu regressos, estreias e deixou de fora alguns que eram incontornáveis. Retornou Ricardo Carvalho por causa do peso da idade e da experiência (supostamente), Eliseu veio porque sem Veloso alguém tinha de trazer o peso da barriga para Óbidos. Éder é opção mas também quando as outras possibilidades são Postiga e Almeida o rapaz quese que é o Henry.
Esperemos para ver qual o resultado destes toques de Fernando Santos nos embates com a França e a Dinamarca.


Agora é esperar que a emissão volte, de preferência com bons programas e mais responsabilidade e ponderação. Portugal merece melhor.



quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Crónica do Nada

É neste momento em que revelo algo, usando letras seguidas construo frases que podiam levar a um texto sério, uma obra humorística ou até a uma crónica que faça pensar quem lê. Podia muito bem dar algo que quem lesse iria relembrar ... mas não, hoje é diferente.

Ao olhar para a "tela" branca que me precedia não consegui criar algo coeso. O meu computador desta vez não seria o veículo para especificidades ou querelas recorrentes. Não quero entrar em politiquisses que agora assolam a televisão, não quero esmiuçar as desgraças do mundo e da nossa Selecção e muito menos olhar para o que a Apple tem para mostrar.

A esta altura podem estar a achar-me louco. "Para quê criar um texto se não vais falar de nada?". Ai está a beleza da escrita. Enquanto deixas o teu pensamento esculpir um texto não precisas de pensar, apenas permites que a ideia flua e depois olhas o resultado ... não precisas de mais nada.

É bom pensar em nada, é libertador. A foto que acompanha esta crónica foi tirada num momento de tranquilidade, de repouso onde mais nada acontecia.
Eu prezo estes momentos porque são raros na nossa vida. Quando foi a última vez que te deitas-te num ambiente relaxante, fechaste os olhos e por instantes eras a única pessoa no Mundo? Pois, é mesmo isso.


Ao escrever agora todas estas palavras sinto-me assim, vazio de ideias interessantes mas não oco de capacidades. Um autor (se é que me posso denominar assim) também tem destas brancas que não são barreiras mas sim uma parede onde teremos de pintar algo que nos identifica.

Passaram 4 parágrafos desde o início desta crónica. Afinal há algo no nada que dá para assimilar ... ainda assim peço desculpa, termino este desvaneio sem ter dito nada.

domingo, 24 de agosto de 2014

Se eu me perder ...

Não me procures. 

Não tentes descobrir os trilhos que percorri, o sítio onde me deixei levar e me perdi. 

Não tenhas o querer inato de saber como estou, que força foi esta que me levou.

Não procures no livro de respostas aquela que me vai encontrar, não terá frutos a busca por algo que não existe.

Não te emociones com aquilo que eu sou, a lágrima que possas derramar pode ser um luxo que não podes desperdiçar comigo.

Não deixes que a tua mente tente construir o que se passa na minha, de nada valerá o esforço.

Não desvendes a razão do meu desaparecimento porque não há investida emocional que o vá justificar.

Não queiras mover o Mundo para me encontrar pois o esforço seria inglório.


Não te preocupes comigo porque a tua busca será efémera e sem sabor. 



Mas se mesmo assim quiseres encontrar-me não precisas de uma demanda. Não é necessário enfrentar incertezas e destinos movediços. Apenas fecha os olhos e toca no teu coração. É ai que eu estarei sempre, por muito que me possa perder ...